segunda-feira, 11 de maio de 2009

Escuridão temporária

Cansado de nada fazer. Cansado de ser nada. Cansado das coisas todas. Das boas e das más. Cansado dos medos. Os motivos são vários. Tantos. Não sei como enumerá-los, cansaria-me mais ainda se o fizesse porque não conheço todos os cansaços de que padeço. Bucólicos muros. Estranho-me. Não me posso adiar para outro século. Só tenho este. E é tão curto. Não sei nunca por onde. Vou daqui para ali apenas por ir. O espelho reflete um personagem sem face. Rosto sem expressão. Sou uma constante fractura exposta que não se trata. Apodrecendo. Corpo dorido de tanto desejar nada. A boca seca. Os dentes rangendo. Os dedos quietos. Dentro da pele preso a mim mesmo. Imóvel. Escafandro. Só os olhos têm ainda alguma frescura nas coisas que contempla, ainda que baço tudo seja. Paro e observo tal como um gato que está deitado ao sol. Gasto algumas das minhas horas assim, olhando ao redor. Respiro e deslumbro-me. Mas as nuvens pesam-me e cansado fico. A claridade confunde-me. O dia baralha-me. Ideias desconexas e desencontradas surgem na noite. Fantasmas de espírito acordam-me nesta escuridão temporária. A obscuridade nasce. Sou rato morto na boca do esgoto. Não sou o meu lugar. Não me sinto aqui. Simplesmente aceito tudo isto. Hei-de encontrar coerência em tudo e sentir o sabor de não estar só. Quero respirar mais alto.

4 comentários:

maria_arvore disse...

Ó poeta da dor de estar vivo,
quero crer que as mágoas se paziguam no ranger de corpos pelo lado lunar. ;)

LORENZO MONSANTO disse...

"Hei-de encontrar coerência em tudo e sentir o sabor de não estar só. Quero respirar mais alto. "

Só estas palavras já dizem tudo...

PINTAS disse...

Ó POETA DA NOITE E QUE BEM O ÉS! A COERÊNCIA ESTÁ DENTRO DE TI. ESTA É A PISTA. AGORA, TRABALHA-A.

randy disse...

Hi, very interesting post thanks for sharing. Can I contact your through your email. Thanks!

Randy
randydavis387 at gmail.com